Segurança e efeitos colaterais do DCA

Dicloroacetato de sódio é considerado um tratamento alternativo ao câncer com elevado nível de segurança. Não houve casos registrados de DCA como causa de morte.

Antes de começarmos, é importante sublinhar que Dicloroacetato de sódio já demonstrou sucesso no tratamento da ‘‘Acidose lática em crianças com defeitos mitocondriais congênitos“  há algum tempo. Os primeiros estudos científicos e a utilização do medicamento começaram há mais de 40 anos. (Ref.)

Durante esse período, o DCA tem sido constantemente utilizado como um medicamento utilizável em doenças mitocondriais congênitas. A investigação feita por Peter Stacpoole e pelos seus colegas provou que, quando usado para terapia, o dicloroacetato de sódio não pode provocar qualquer efeito colateral level ou moderado. (Ref.)

A probabilidade de existir reações adversas depende da dosagem e da idade do paciente. Doses maiores de DCA e uma idade mais avançada do paciente (acima de 40 anos) estão relacionadas a uma maior ocorrência de efeitos colaterais. (Ref.)

Em ocasiões excecionalmente raras , a small portion of the population can metabolize DCA more slowly than the average. Por isso, mesmo as doses normais de DCA podem provocar reações adversas, surgindo mais rápida e notavelmente nesse grupo de pessoas. Nesse caso, a redução da dose de DCA deve corrigir os problemas.

IQuando interrompe a toma de DCA, quase todos os efeitos secundários desaparecem em menos de uma semana. A neuropatia periférica reversível pode demorar até 7 ou 14 dias (raramente) para desaparecer completamente. (Ref.)

Segundo uma das mais famosas clínicas de DCA e dos seus dados observacionais, 44 % dos pacientes que tomaram DCA não experimentaram efeitos colaterais.


 

Os efeitos colaterais mais comuns provocados pelo Dicloroacetato:

▪ Neuropatia periférica.
  (sentida por até 20% das pessoas que usam DCA).


Esse grupo de sintomas começam por surgir nos dedos de mãos e pés. Dependendo da intensidade da neuropatia, pode se manifestar como formigamento, dormência, tremor, sensações dolorosas e ligeiro aumento da dificuldade de coordenação motora.
Em situações menos comuns, a neuropatia pode surgir em outros lugares e surgir como formigamento de olhos, lábios e língua.

Normalmente, são necessárias pelo menos algumas semanas ou meses para que a neuropatia periférica se desenvolva.
Este efeito colateral é reversível - a sua intensidade pode diminuir ou desaparecer totalmente ao baixar a dose de DCA ou parar a utilização de DCA. (Ref.)

Na parte inferior do artigo terá informações sobre os suplementos e métodos que pode aplicar para evitar esta reação adversa

▪ Sonolência, cansaço mental, confusão
  sentido por até 20% das pessoas que usam DCA).


Esse grupo de sintomas é reversível - pode diminuir a sua intensidade ou fazer com que desaparecem completamente diminuindo a dose de DCA ou interrompendo o uso de DCA.

Os raros efeitos colaterais provocados pelo Dicloroacetato:

▪ Azia, náuseas, problemas digestivos.

A administração de dicloroacetato por via oral boca pode por vezes causar irritabilidade gastrointestinal.

Na parte inferior do artigo terá informações sobre os suplementos e métodos que pode aplicar para evitar esta reação adversa

▪ Dor no local do tumor (temporária).

Uma reação adversa muito rara. Por aumento da apoptose, muitas células cancerosas morrem e isso mostra que a terapia com DCA é eficaz. Mas apenas alguns casos de Síndrome de lise tumoral foram documentados nas clínicas mais conhecidas n administração de DCA. Essa situação é mais provável em pessoas com leucemia, linfoma ou tumores de grande volume. (Ref.1, Ref.2)

▪ Ligeira subida da enzima hepática (AST, ALT, GGT), sem sintomas.

A maioria dos medicamentos pode provocar ligeiras alterações da enzima hepática no sangue. O DCA pode provocar elevações mínimas de transaminase hepática e transpeptidase (cerca de 50 – 60 U/l) para 1 % dos pacientes. Essas pequenas alterações não devem causar preocupações.
Um aumento semelhante ou maior da enzima hepática pode ser influenciado por antibióticos, paracetamol (acetaminofeno), algumas ervas medicinais e comprimidos anticoncecionais. (Ref.)

▪ Maior ansiedade, alterações de humor, alucinações.

Esses efeitos são temporários e devem desaparecer com a paragem do DCA. Podem acontecer com maior frequência em pacientes que usam medicamentos que influenciam fortemente o Sistema nervoso central.



Influência dos dicloroacetatos nos diferentes sistemas orgânicos:

▪ DCA e o cérebro.
Se está usando atualmente canabinóides, benzodiazepinas, opiáceos ou outros medicamentos que afetam O sistema nervoso central, saiba que o DCA pode aumentar as reações adversas causadas por estes medicamentos (por exemplo, delírio, problemas de memória).
Esse cenário é mais provável se os medicamentos em causa já provocarem efeitos colaterais. Se o paciente não está tendo qualquer problema com medicamentos do ponto de vista do SNC – o risco dessas interações com a DCA é baixo.

Para minimizar a probabilidade de esses medicamentos interagirem, recomendamos começar com doses baixas de dicloroacetato de sódio e depois aumentar gradualmente (Ref.)

▪ DCA e o coração.
O dicloroacetato parece ter um efeito positivo na função cardíaca sem aumentar a demanda acrescida de oxigênio. Melhora também a eficiência da geração de energia no músculo cardíaco. O medicamento é seguro para pessoas com insuficiência cardíaca e risco aumentado de isquemia cardíaca. (Ref.)

▪ DCA e o fígado.
Em caso de insuficiência hepática e icterícia grave, não devem ser consumidas doses elevadas de DCA, já que dicloroacetato é metabolizado no fígado. Em situações dessas, o DCA deve ser administrado por via intravenosa e não oralmente. (Ref.)

▪ DCA e os rins.
O dicloroacetato é seguro para pacientes com insuficiência renal. O medicamento não apresenta toxicidade para os rins.

▪ DCA e a diabetes.
Os pacientes com diabetes podem conseguir um maior controle glicêmico do sangue com a ajuda do Dicloroacetato. O DCA parece diminuir o nível de açúcar no sangue entre as refeições. (Ref.)



Essa é informação exata no momento atual sobre a forma como DCA afeta os principais órgãos. Se o dicloroacetato for administrado cuidadosamente e com conhecimentos básicos adequados, os seus riscos para a saúde são baixos e podem ser quase totalmente evitados.

Esperamos que esse artigo responda às perguntas mais importantes.

Para mais informações sobre como controlar e evitar reações adversas provocadas pela administração de dicloroacetato de sódio, leia o artigo “Métodos e suplementos para prevenir os efeitos colaterais de DCA”.